Polícia Civil esclarece chacina de Guaxuma

DH
Delegados apresentam detalhes sobre chacina em Guaxuma (FOTO: ASCOM/PC)

A Polícia Civil de Alagoas apresentou, na manhã desta segunda-­feira (14), o relatório final das investigações que levou ao esclarecimento da chacina de Guaxuma, ocorrido em novembro deste ano, que vitimou quatro pessoas de uma mesma família.

O crime ocorreu durante a madrugada em um sítio, onde Evaldo da Silva Santos, sua esposa Jenilza de Oliveira Paz, de 25 anos, e os filhos: Maria Eduarda, de nove anos e Guilherme, de apenas dois anos, foram mortos com golpes de facão.

Uma terceira criança de cinco anos sobreviveu ao atentado e reconheceu o acusado, por diversas vezes. Ela recebeu acompanhamento psicológico durante todos os procedimentos em que esteve envolvida.

Durante entrevista coletiva, em Jacarecica, os delegados que participaram das investigações: Cícero Lima, gerente de polícia judiciária 1; José Carlos, coordenador da delegacia de homicídios da capital; Antônio Henrique, presidente do inquérito e Lucimério Campos, responsável pelo levantamento de local de crime, deram detalhes sobre todos os métodos realizados pela polícia, que levaram ao indiciamento de Daniel Galdino Dias, 31 anos.

Daniel
                                         Daniel Galdino, 31 anos (FOTO: ASCOM/PC)

De acordo com o delegado José Carlos, a motivação para o crime seria uma quantia em  dinheiro que seria utilizada para uma transação entre a vítima e o irmão do acusado, para a compra de um barco.

“Ele foi visto por pessoas deixando o sítio com um facão na mão, foi também o responsável por divulgar as fotos das crianças mortas e por apontar onde os corpos estavam. Ele chegou a divulgar informações falsas sobre o suspeito do crime e em depoimento se contradisse várias vezes. Além disso, o trabalho feito com a criança foi fundamental para que chegássemos a essas informações”, esclareceu.

Aline Damasceno, psicóloga que atua na delegacia dos crimes contra a criança e dos adolescentes da capital, foi importante para elucidar alguns detalhes. Ela acompanhou a criança, que relatou que Daniel Galdino chegou à residência e chamou Evaldo para conversar sobre a compra do barco. Ao chegar ao local, cerca de 300 metros da sua residência, ele cometeu o crime.

Em um dos encontros com os delegados, a criança acompanhada pela psicóloga e por uma tia, fez o reconhecimento. Na ocasião, 15 pessoas da região foram apresentadas, divididas em grupos e apenas no último grupo de cinco pessoas, Daniel foi reconhecido pela criança.

De acordo com as investigações, após matar o pai, Daniel retornou à residência arrastou a mãe das crianças para fora e a matou. Os menores tentaram se esconder na mata, mas foram encontrados porque o Guilherme, o mais novo, chorou.

Para o delegado Antônio Henrique, a polícia não tem dúvidas sobre a autoria dos crimes e com a chegada das provas técnicas o inquérito será concluído.

ASCOM/PC