Medicamentos são adquiridos para prevenir possíveis vírus na Casa de Custódia

Visitas estão suspensas neste final de semana em razão de procedimento de profilaxia; Gerência de Saúde descarta surto de meningite na unidade

d1a7b437aab96072fbbe0bc1b2795673_L

Para efetivar as ações ressocializadoras no sistema prisional, é necessário cuidar da saúde e do bem-estar dos internos e agentes penitenciários, conforme prevê a Lei de Execuções Penais. Nesta semana, as Secretarias da Ressocialização e Inclusão Social (Seris) e da Saúde firmaram uma parceria importante para imunizar aqueles que estão na Casa de Custódia da Capital (Cadeião).

Desde terça-feira (5), técnicos da Sesau e da Gerência de Saúde da Seris disseminam orientações e instruções, além de executar procedimentos de profilaxia. Somente nesta sexta-feira (8), a Seris viabilizou junto ao Ministério da Saúde três mil comprimidos do medicamento Rifampicina, antibiótico que age inibindo a multiplicação de bactérias. Em razão desse tratamento, as visitas dos familiares no Cadeião serão suspensas neste final de semana.

O medicamento previne reeducandos e também os agentes penitenciários que tiveram contato com o interno Cleyson Ferreira da Silva, que veio a óbito na terça-feira (5) em decorrência de meningocócica e meningococcemia. Enfermeiras da Gerência de Saúde iniciaram o tratamento na tarde desta sexta-feira (8) e estão realizando o acompanhamento de todos que foram medicados. A ação evita a proliferação de possíveis vírus na unidade.

Apesar dos cuidados especiais, a gerente de Saúde, Larissa Vital, lembra que não há surto de doenças na Casa de Custódia. “Estamos executando um protocolo de prevenção, conforme recomenda o Ministério da Saúde. Se surgirem casos suspeitos de vírus, encaminharemos imediatamente para o Hospital Dr. Helvio. Lá será feito um diagnóstico detalhado que permitirá o tratamento adequado”, salienta Larissa Vital.

Victor Costa – Agência Alagoas

09/07/16