Alagoas sedia I Workshop Biomassa e Energia em Maceió

Evento promove debate sobre a situação atual e as perspectivas da inserção da biomassa na matriz energética do Estado

6ee185018be76ca2a99dabf39f1ca344_L

A Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Turismo (Sedetur), em parceria com a Embrapa Tabuleiros Costeiros e o Curso de Mestrado em Energia da Biomassa da Universidade Federal de Alagoas (UFAL), realizou nesta quarta-feira (13) no auditório do Centro de Ciências Agrárias, em Rio Largo, o I Workshop Biomassa e Energia.

O evento discutiu a situação atual e as futuras demandas energéticas em Alagoas, além da inserção da biomassa na matriz energética do Estado. Participaram representantes de usinas sucroenergéticas, indústrias do setor cerâmico, produtores, empresas com interesse na geração de energia e estudantes de agronomia e química industrial.

O Workshop acontece em meio a um momento em que o Brasil busca novas alternativas de geração de energia que possam diminuir as emissões de gases do efeito estufa, aumentando a necessidade de novas tecnologias para a geração de energia limpa e renovável.

Em Alagoas, a participação do setor sucroenergético que trabalha com a utilização do bagaço da cana-de-açúcar para a cogeração – produção que combina calor e potência mecânica – produz uma matriz energética predominantemente renovável. Tendo em vista todo o potencial de aproveitamento da palha da cana e dos resíduos de outras culturas, como a fibra de coco e as casca de arroz, por exemplo, o evento possibilita a ampliação da cogeração nas usinas e o aumento no suprimento de biomassa em outros setores que demandam energia.

Para Bruno Sardeiro, superintendente de Energia e Mineração da Sedetur, o Workshop realizou uma conexão entre o Governo de Alagoas, a academia e as empresas, trazendo para a população a tecnologia desenvolvida, além da geração de emprego principalmente no campo, já que para gerar energia é preciso produção agrícola.

“São diversos os benefícios da bioenergia em Alagoas. Além do impacto social que ela traz, gerando renda para a população rural, ela proporciona um impacto ambiental e econômico muito favorável para o Estado, uma vez que substituímos a produção de energia a partir de insumos não renováveis por materiais renováveis que podem envolver resíduos sólidos e líquidos”, destacou Sardeiro.

Atlas de Bioenergia

No final de junho de 2016, foi lançado pela Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Turismo o Atlas de Bioenergia de Alagoas. Os mapas contidos no Atlas são referentes ao potencial de geração de energia, por microrregião alagoana.

O Atlas de Bionergia serve de ponto de partida para o estímulo de novas pesquisas e investimentos para a geração de energia renovável no Estado, permitindo que se conheça, em número, a potencialidade para a geração de energia por outras fontes. O material está disponível no site: www.sedetur.al.gov.br.

Camila Guimarães – Agência Alagoas

13/07/16