Sesau discute subnotificação de acidentes de trabalho em Encontro do Peti

Encontro aconteceu no Centro Cultural e de Convenções Ruth Cardoso, em Maceió

a045a6e4e02e85ca1e570199148fa478_L

Profissionais da Secretaria de Estado da Saúde (Sesau) participaram nesta quarta-feira (13) do Encontro Intersetorial de Ações Estratégicas do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (Peti). A subnotificação dos acidentes de trabalho envolvendo crianças e adolescentes foi um dos temas discutidos no evento.

O evento foi promovido pela Secretaria de Estado da Assistência e Desenvolvimento Social (Seades). Segundo dados da Sesau em 2015 foram notificados 43, e nesses 6 primeiros meses de 2016 foram notificados 4 acidentes em jovens entre 15 e 17 anos.

Gardênia Santana, que é supervisora de estadual de Vigilância em Saúde do Trabalhador e representante do fórum estadual de erradicação do trabalho infantil e proteção ao adolescente trabalhador, falou que é preciso conscientizar os profissionais da saúde para ter um olhar mais sensível ao atender crianças acidentadas. “Identificar e notificar esses casos relacionados com trabalho infantil é de extrema importância para aprimorar as ações desenvolvidas pela Sesau e para isso temos que orientar os profissionais tanto da atenção básica como na alta e média complexidade”, salientou a supervisora.

Integrantes do Ministério Público do Trabalho em Alagoas (MPT/AL), também presentes no encontro, reforçaram que no primeiro semestre de 2016 o órgão recebeu 25 denúncias referentes ao trabalho infantil. A procuradora-chefe do MPT/AL, Adir de Abreu, disse que as ações de combate devem ser realizadas em conjunto, envolvendo as áreas de educação, assistência social e saúde.

“Para um resultado efetivo de retirada dos menores trabalhadores, esse trabalho deve ser coordenado com todos os órgãos municipais, estaduais e federais, e dessa forma desenvolver projetos e ações para manter as crianças e os jovens em constante aprendizado”, destacou a procuradora.

Estiveram presentes no evento representantes dos 102 municípios alagoanos, Assistência Social, Saúde, Educação, conselheiros tutelares e técnicos de referência do Peti, além de representantes do Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário (MDSA), da Organização Internacional do Trabalho (OIT), dos fóruns estadual e nacional de Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil, do Ministério Público do Trabalho (MPT), do Tribunal Regional do Trabalho (TRT), Superintendência Regional do Trabalho e Emprego (SRTE), do Fórum Permanente dos Conselhos Tutelares de Alagoas e do Conselho Estadual de Assistência Social.

João Victor Barroso – Agência Alagoas

13/07/16