Família de Maria Eduarda é recebida pelo governador Pezão no Palácio Guanabara, Rio

Parentes da jovem, morta a tiros de fuzil na escola, conversam com governador. Eles chegaram por volta de 10h.

Familiares da menina Maria Eduarda chegaram ao Palácio Guanabara por volta de 10h para uma reunião com o governador Luiz Fernando Pezão. Pai, mãe e irmão chegaram acompanhados também do advogado João Tancredo. Maria Eduarda, de 13 anos, foi morta dentro da Escola Daniel Piza, no dia 30 de abril, durante um confronto entre traficantes e a polícia.

O tio Amauri Alves de Oliveira ficou do lado de fora com uma faixa dizendo que o caso está nas mãos de Deus. “Tem que preparar mais a polícia, não dá para jogar o policial sem preparo na rua. Tem bons e ruins. Mas queremos descobrir quem foi. Só sei que minha sobrinha morreu e queremos saber de onde o tiro veio”, afirma ele.

Há uma semana, a família foi recebida também pela comissão de direitos humanos da Alerj e pela divisão de homicídios. Na ocasião, o advogado disse que pediria indenização.

“Não tenho a menor dúvida que o estado é obrigado a indenizar em decorrência desse fato. Há envolvimento de agentes públicos. Se não foram eles os autores do disparo, não importa. Tendo envolvimento de agente público o estado é responsável”, disse Tancredo.

g1

07/04/2017