Tonico Pereira revela que já trabalhou com contrabando

Ator da novela ‘A Força do Querer’ conta que ganhava muito dinheiro sendo ‘aviãozinho’ na adolescência

Ator premiado, Tonico Pereira já fez mais de 15 novelas, foi sucesso por 13 anos no seriado “A Grande Família”, e atualmente encarna Abel, o pai zeloso de Zeca (Marco Pigossi), em “A Força do Querer”. Porém, antes e durante sua carreira na TV, Tonico, muitas vezes, já tentou ganhar a vida de outras formas. Em conversa com o Purepeople, durante uma gravação aberta da trama, ele contou que na adolescência já foi “aviãozinho” em linha de contrabando e admitiu que ainda hoje não tem a vida financeira estável: “eu vivo devendo. Agora hipotequei meu apartamento, e estou pagando, R$18 mil por mês”.

Dizem que todo ator é um grande contador de histórias e Tonico não foge à regra. Entre lembranças de uma vida inteira – já publicadas em sua biografia – ele explicou suas aventuras profissionais: “eu acho que ser ator não é uma profissão segura, então fiquei tentando outras vias… Em que fali umas oito vezes (risos)”. Dentre elas, ele já foi gerente de banco, teve loja de parafusos, livraria… Mas uma delas não era, digamos, nada convencional. “Já fui avião de linha de contrabando. O relógio Seiko, por exemplo, entrou no Brasil em uma linha de contrabando em que eu era avião. Com 16, 15 anos eu ganhava dez vezes mais que meu pai.”, constata o Terra.

Com seu senso de humor característico, o ator relembrou como tudo aconteceu: “eu tinha um amigo, o Roberto Luis, que tinha caminhão, fazia transporte pelo Brasil, Uruguai, Paraguai, essas coisas… Ele trazia contrabando. Posso falar, porque não sei nem se ele está vivo, e se tiver, esse negócio já prescreveu”, e completou: “eu era um garoto que vendia o contrabando para a alta sociedade de Campos na época. Então ia de lança-perfume, de relógio, cigarro… Roberto Luis tinha um apartamento de quatro quartos onde passei um Carnaval e vendi tudo.”

Tonico afirmou que, financeiramente, foi a profissão de ator que o segurou. “Mas me segura com a cabeça instável. Eu tô devendo, devendo muito. Agora hipotequei meu apartamento, e estou pagando R$ 18 mil por mês. Se eu não pagar, eu perco”, diz, e pondera: “mas eu estou no meio, estou vivo, estou respirando”. Ele declara que isso não tem nada a ver com a TV Globo: “é uma grande empresa, e comparece. O resto que acontece comigo de errado são as minhas falhas pessoais e humanas que me levam a fazer loucuras. Mas também se não fizer loucura não vale a pena”. Tonico contou suas histórias sem medo de qualquer tipo se julgamento, e filosofou: “se eu não falar essas coisas, não serei eu. E eu não sei não ser eu. A única coisa que me resta é ser eu”.

Quando esteve com os colegas de cena e a equipe da novela das nove no Amazonas, o intérprete de Abel precisou de dublê para as cenas em que o personagem nada em um rio. Desidratado, ele chegou a ficar internado por cinco dias, e, por isso, não pôde participar de algumas cenas. Nos próximos capítulos da trama de Gloria Perez, Zeca engata um namoro com Jeiza (Paolla Oliveira), o que deixa o pai contente. Mas logo a policial termina a relação por causa da recusa dele em se divorciar de Ritinha (Isis Valverde), e o motorista de caminhão dá uma prova de amor ao levar um tiro para protegê-la durante um assalto.

27/04/2017